Rua Gomes de Carvalho, 1356 - 2º andar
São Paulo - SP
Avenida Carlos Gomes, 222 - 8º andar
Porto Alegre - RS
+ 55 (11) 3995-5221
+ 55 (51) 3378-1136

PR HACKS - ENGAJE!

#EraDoEngajamento

Notícias são mais impactantes na decisão de compra, indica pesquisa com consumidores

Um estudo da agência de PR e conteúdo digital norte-americana, Beantown Media Ventures (BMV), em que mil consumidores dos Estados Unidos foram entrevistados durante o primeiro semestre de 2019, aponta que as notícias são o tipo de conteúdo mais impactante na definição da decisão de compra. Com 30% das respostas, elas saíram à frente de posts positivos nas redes sociais de um produto ou serviço feito por amigos ou familiares (28%) como as mais impactantes para a decisão de compra.

Enquanto 29% dos consumidores admitem que os anúncios nas redes digitais aumentam a conscientização sobre novos produtos e apenas 12% disseram que uma menção positiva de uma marca em um anúncio ou um influenciador digital já os levaram a fazer uma compra.

LEIA TAMBÉM:

SERÁ O FIM DA ERA DOS LIKES?

GUIA PARA TER MAIOR PRIVACIDADE ONLINE

Um dos fundadores da empresa, Kyle Austin, fala que “A era das notícias falsas criou um apetite entre os consumidores por informações confiáveis de meios de comunicação credíveis. Como subproduto, as matérias publicadas por eles estão promovendo a conscientização e, finalmente, levando às compras, mais efetivamente do que as alternativas digitais que têm levado parte dos orçamentos das empresas nos últimos tempos”. Isto ainda não é visto no Brasil, mas é importante ficar de olho, pois este nicho do mercado está em constante mudança.

“Não é possível dizer que os influenciadores digitais estão ficando irrelevantes, avalia Guilhermo Benitez, sócio diretor da Engaje! Comunicação, “afinal, pesquisa recente no Brasil mostrou que 76% dos entrevistados já compraram algo indicado por influenciadores digitais. Mas fica forte a tendência do consumidor em buscar credibilidade no conteúdo antes de tomar uma decisão. Cada vez mais, a reputação passa a ser estratégica na comunicação digital”.

Outros pontos interessantes apresentados pelo estudo:

O estudo, estudo que traz índices de conscientização, engajamento e ação, aponta ainda que este ano os gastos com marketing digital ultrapassam os gastos em canais tradicionais como TV, rádio e jornais, pela primeira vez na terra do Tio Sam – o que dá às marcas nativas digitais a oportunidade de competir efetivamente com empresas em seu próprio território digital. E este comportamento também tem sido observado no país. A Reamp, empresa de marketing programático brasileira, ainda coloca que esta não é nenhuma surpresa para quem trabalha com anúncios.

Consumidores mais jovens (Geração Z e Millennials) dizem que têm mais probabilidade de conhecer novos produtos de consumo a partir de mídias sociais e anúncios digitais (35%). No Brasil, a realidade tem sido outra, recente matéria do Uol, mostra que os Millenials estão abandonando as redes sociais e a Geração Z nem quer fazer parte das mesmas.

Comparado aos produtos e serviços de consumo, o conteúdo de marca (blog da empresa, mídia social, vídeo) foi muito mais alto (27%), como a forma como os potenciais compradores dizem que descobrem produtos B2B versus produtos B2C on-line (13%). Aqui tem sido falado muito sobre o assunto que as marcas precisam construir suas comunidades, além de ter as redes sociais como canais de conversa com os consumidores, então seguimos o mesmo caminho.

Quase um terço dos consumidores (32%) diz que segue e consome conteúdo de mídia social com marca simplesmente porque é interessante e envolvente.

86% dos consumidores dizem que existem notícias falsas online. Um estudo global sobre fake news, coloca o Brasil como o país mais preocupado com as ditas notícias falsas, analisando a realidade de 37 países.

No entanto, quase metade dos consumidores (49%) afirma que as notícias falsas têm maior probabilidade de aparecer primeiro e se espalhar em sites de mídia social como Facebook, Twitter e YouTube, em vez de se espalhar em sites de notícias nacionais (20%).

3 em cada 4 consumidores dizem que, às vezes, são dissuadidos de fazer negócios com uma empresa que acreditam / sabem que está coletando dados sobre eles para fins publicitários. Em 2020, começará vigorar a Lei Geral de Proteção aos Dados Pessoais no Brasil, assim teremos uma percepção melhor sobre como anda os negócios on-line.

Quer entender melhor como posicionar a sua marca no mercado on-line? Entre em contato conosco: engajesp@engajecomunicacao.com

Kemal Ishmael Jersey