Rua Gomes de Carvalho, 1356 - 2º andar
São Paulo - SP
Avenida Carlos Gomes, 222 - 8º andar
Porto Alegre - RS
+ 55 (11) 3995-5221
+ 55 (51) 3378-1136

PR HACKS - ENGAJE!

#EraDoEngajamento
Propósito e Reputação

Propósito e reputação: modismo corporativo ou desculpa para a superficialidade?

Se engana quem acha que o mundo das grandes empresas não sofre também com recorrentes modismos corporativos. Vira e mexe, ideias, conceitos e até mesmo velhas atitudes com novos nomes (normalmente em inglês) ganham espaço em reuniões, artigos e avançam até planos estratégicos (muitas vezes cheios de boa vontade). Mas não, antes que você comece a se perguntar, não acho que propósito OU reputação sejam modinhas vazias e passageiras. Ao contrário. A quantidade de pesquisas e estudos que corroboram a importância destes conceitos para o sucesso empresarial está além de qualquer dúvida.

O ponto aqui é a quantidade de vezes em que propósito E reputação aparecem juntos. Você também já reparou nisso? Começa a conversa – ou a leitura – e num passe de mágica um tema leva a outro. Como se (e aqui mora o enorme perigo) a reputação fosse pura e simplesmente consequência do propósito. E/ou que bastaria ter um propósito claro, descolado e endereçado a um público estratégico para ganhar a fé e credibilidade inabalável de todos os stakeholders. Oi, você também pensa assim? Pois permita-me informar que você está errado.

Leia Também:
6 Posturas para construir  (e manter) a reputação na era da hipertransparência
Reputação ainda não é o centro da sua estratégia?

É PRECISO IR ALÉM

Como já tratamos antes, a reputação de uma empresa, marca, lugar ou pessoa, reflete um amplo espectro de públicos e dimensões. Por mais frustrante que isso possa soar, não basta apenas colocar uma chamada criativa à defesa da sustentabilidade ou à diversidade social em sua comunicação se, entre outras possibilidades, você não tem práticas comerciais justas ou seu produto é simplesmente ruim.

Não me entenda mal. É claro que ter um propósito claro e bem definido ajuda muito a construção e defesa da reputação. Ele mostra que a organização tem uma visão maior, que está preocupada em deixar um legado e construir algo que vá além de sua operação. O propósito também é uma fortaleza para engajar e alinhar os times internos.

E TAMBÉM TER CONSISTÊNCIA

Mas, quando tratamos de reputação, lembre-se que estamos olhando para relações mais profundas e duradouras. Assim, não basta ter um propósito. Para obter reflexos em sua reputação, a empresa tem que efetivamente “viver” e “agir” em torno dele, seja na relação com seus funcionários e fornecedores, seja na sua relação com a sociedade ou na experiência de seus consumidores. Assim como a reputação, o propósito não pode ser isolado dentro de um dos “silos” da companhia. Não pode ser uma ação de marketing ou da equipe de gestão de pessoas. E sim guiar cada passo e decisão tomada por todos os setores.

OU PODE VIRAR MAIS UM RISCO

Isso mesmo. Um propósito para inglês ver pode ser pior do que uma desculpa para a superficialidade. Ele pode ser tornar um ponto fraco a partir do qual a operação e a gestão da empresa podem ser questionadas, inclusive minando sua reputação. Quer um cenário mais tentador para um hater do que uma marca que não faz o que prega?

Por outro lado, é sim factível, mesmo que mais trabalhoso, construir e defender a reputação de uma empresa que não tenha ainda buscado e identificado seu propósito. Existem inúmeras companhias que ainda operam na base do velho e bom ‘entrega, seriedade, oportunidades e resultado’ e têm ótima credibilidade.

E AGORA, COM VOCÊS, A DUPLA ‘PROPÓSITO E REPUTAÇÃO’

Ou seja, propósito e reputação não andam, necessariamente, de mãos dadas. E acreditar que ao adotar a primeira, você ganha a segunda de brinde é um grande e perigoso equívoco.

Mas, por favor, não passa pela nossa cabeça menosprezar a importância do propósito para as empresas. Há muito que defendemos sua importância, que vai muito além da comunicação. O ponto aqui é a associação quase que obrigatória entre propósito e reputação. Esta falácia, que está começando a se disseminar como um modismo corporativo, de que a busca por reforçar a reputação passa, necessariamente, pelo propósito. Como tantos outros conceitos equivocados, essa visão distorcida pode fazer mais mal do que bem aos incautos que nele acreditarem.

Veja Também
Webinar reputacão corporativa
Reputação Corporativa: ameaças e oportunidades em novos tempos
Comunicação interpessoal 2
Comunicação Interpessoal – parte 2: quanto estamos perdendo e o porquê
Disruptive PR
Disruptive PR: a técnica secreta para construir reputações
Comunicação Interpessoal
Comunicação Interpessoal – parte 1: o que é e para que serve?
Kemal Ishmael Jersey