Rua Gomes de Carvalho, 1356 - 2º andar
São Paulo - SP
Avenida Carlos Gomes, 222 - 8º andar
Porto Alegre - RS
+ 55 (11) 3995-5221
+ 55 (51) 3378-1136

PR HACKS - ENGAJE!

#EraDoEngajamento
tendencias de consumo pos covid 19

Tendências Consumo pós Covid-19: 60% se pautarão por preço

O estudo Opiniões Covid-19, resultado da parceria entre Engaje! Comunicação, Perception e Brazil Panels, identificou tendencias de consumo pós Covid-19, além de impactos da pandemia no comportamento dos brasileiros. A pesquisa foi realizada com homens e mulheres com mais de 18 anos, das classes ABCD. Elas foram ouvidas, em todas as regiões do Brasil, por meio de entrevistas online. A margem de erro é de até 4%.

Ela analisou hábitos de consumo e o impacto que estão sofrendo com a realidade do isolamento. Perspectivas dos brasileiros para comportamentos futuros relacionados ao consumo também foram questionados. Entre os achados, foi identificado que produtos de limpeza, higiene e itens básicos de alimentação, como sabonetes, sabão para louças, verduras, arroz e feijão estão entre os que passaram a ser mais consumidos que antes do período de isolamento. Já os produtos de segunda necessidade, como cervejas, esmaltes, chocolates, passaram a ser menos consumidos durante o isolamento.

PREÇO, PREÇO, PREÇO

Cerca de 60% procurará itens mais baratos dentre os medicamentos sem prescrição, carne, frango, peixe, arroz, feijão, produtos de limpeza da casa e etc, após a crise. Muitas marcas desses segmentos que se posicionam como mais caras e de maior qualidade deverão sofrer impacto e terão de se readaptar, segundo as expectativas identificadas. “O estudo mostra também que” o brasileiro está preocupado em melhorar seus hábitos em diversos quesitos, entre eles o planejamento financeiro e o gerenciamento do dinheiro, o que os tornará consumidores mais exigentes que realizarão compras  mais racionais que emocionais, comenta Rodrigo Toni, CEO da Perception.

 A comunicação com esse perfil de consumidor, que pode representar a maioria a partir de agora, também precisará ser aperfeiçoada. O foco na autenticidade, como já vem sendo necessária para interagir com consumidores mais sagazes e bem informados, será um dos pontos fortes para as marcas se manterem diferenciadas. “Os dados mostram que o período de isolamento exigirá atitude das empresas e consolidação de posicionamentos sólidos para alicerçar a interação com esses consumidores mais maduros. É preciso garantir boa reputação e comunicar claramente benefícios e diferenciais, para fugir da escolha por preços. Esse preparo será essencial para determinar a agilidade de adaptação para o mercado pós-pandemia”, comenta Guilhermo Benitez, da Engaje! Comunicação.

DESEMPREGO PREOCUPA

Além da perspectiva de mudança no consumo, os pesquisados foram ouvidos sobre como a pandemia está afetando seu comportamento. Apesar de estarem no grupo de pacientes com maior risco de morte, no caso de contaminação do Coronavírus, há menos idosos extremamente preocupados com a Covid-19 que pessoas de 18 a 55 anos — 64% do grupo de 36 a 55 anos mostraram-se muito ou extremamente preocupado em ficar doentes. Em segundo lugar, com 60%, vêm as pessoas entre 18 e 35 anos, enquanto dos idosos somente 49% estão com esse nível de cuidado e preocupação.

A pesquisa também identificou grande preocupação dos brasileiros com a economia e seus empregos. Os funcionários de empresas privadas formam o grupo mais receoso com a crise ocasionada pela pandemia mundial; 71% destes afirmaram estar enfrentando grandes níveis de stress. Em seguida vêm os dos autônomos e microempresários (62%) e funcionários públicos (51%).

SAÚDE X ECONOMIA

No total, 61% dos brasileiros entrevistados revelaram que suas preocupações estão relacionada à saúde. Destes, 20% temem que os serviços colapsem e não cheguem a todos. Os demais citaram o medo por alguém próximo ou eles próprios adoecerem ou ainda pelo elevado número de mortos.

Outros 29% expressaram sua apreensão perante uma eventual perda do emprego ou desajuste nas finanças pessoais. Aliás, 45% dos que responderam à pesquisa afirmaram categoricamente que acreditam que no mundo pós-Covid19 vai faltar trabalho.

MUDANÇA DE HABITO

A pandemia levou a novas atitudes. A principal é lavar mais 86% afirmaram estar seguindo esta orientação dos órgãos de saúde. Além disso, a maioria revela que mudou seu consumo de mídia graças ao isolamento social. Dos entrevistados, 62% estão vendo mais filmes da TV, 58% usando mais redes sociais e 53% vendo mais telejornais. Os afazerem domésticos também foram reforçados: 61% estão fazendo mais faxina e 56% cozinhando mais.

“O estudo identificou que as pessoas estão interessadas em se reeducar e agir de forma mais consciente”, comenta Rodrigo Toni. A respeito dos hábitos que irão adquirir depois que a ameaça de contaminação passar, quase metade dos entrevistados não hesitou em responder que vai fazer uma reserva financeira. Já 38% desejam se alimentar melhor. Na relação com o outro, 42% querem ser mais solidários e justos e 29% visam a se empenhar em trabalhos sociais. E, no campo da política, 31% pretendem pesquisar melhor antes de votar e 29% cobrar mais os governantes.

LEIA TAMBÉM

Quer sobreviver ao COVID-19? Tenha Responsabilidade Empresarial!

A comunicação em tempos de Coronavírus

6 dicas para se adaptar com mais facilidade ao home office

Veja Também
Comunicação Digital Engaje! Unicor Marketing - Estratégia do Unicórnio
Quer multiplicar o retorno de seu Marketing de Conteúdo? Siga os 7 passos da estratégia do Unicórnio
Engaje na Inbound2017
#INBOUND2017 (parte 1): 5 conceitos básicos do presente da Comunicação
Transformação: protagonize a mudança ou seja engolido por ela
7 Megatrends que irão definir a comunicação em 2017
Kemal Ishmael Jersey