Rua Gomes de Carvalho, 1356 - 2º andar
São Paulo - SP
Avenida Carlos Gomes, 222 - 8º andar
Porto Alegre - RS
+ 55 (11) 3995-5221
+ 55 (51) 3378-1136

PR HACKS - ENGAJE!

#EraDoEngajamento
Disruptive PR

Porque o Disruptive PR é mais importante do que nunca

Necessidade das marcas por relevância, reputação e autenticidade alavancam a força da disciplina

O PR ficou totalmente obsoleto. Entrou em crise e, juntamente com a mídia tradicional, perdeu toda sua relevância. O PR morreu, vida longa ao PR.

Tenho orgulho de trabalhar há cerca de 30 anos na indústria de comunicação. Mais exatamente na disciplina que hoje denominamos PR (do termo em inglês Public Relations) ou comunicação corporativa. E, nestas 3 décadas, perdi as contas de quantas vezes ouvi “especialistas” anunciarem o fim do setor. Quanta bobagem. O PR está mais vivo e importante do que nunca. E só tem evoluído na velocidade do mundo. Ainda mais para os que têm a sabedoria de acompanhar o crescimento da sua relevância e usufruir dos benefícios. Assim como para os que têm a coragem de implementar o que chamamos de Disruptive PR.

SIM, HOUVE UMA CRISE NO PR

Não vou negar que houve uma crise severa na primeira década deste século. A transformação digital abalou todo o setor da comunicação. E, com o PR (que na época era basicamente assessoria de imprensa), não foi diferente. Boa parte das agências e profissionais não sabiam como atuar no ambiente digital. E, quando começaram a aprender, passaram a ter departamentos separados para o on e off line.

Esse cenário, associado à crise dos veículos de imprensa, que viram boa parte de sua verba migrar para os gigantes digitais (Google e Facebook à frente), realmente colocaram um ponto de interrogação de épicas proporções no futuro da indústria. Pelo menos para os que resistiram em se reinventar.

MAS FOMOS SALVOS PELO DIGITAL

O que poucos conseguiam perceber naquele, no auge da crise, é que a nova realidade da comunicação iria criar uma nova demanda para… o PR. Junto com a explosão das mídias sociais, influenciadores digitais, informação (praticamente) ilimitada na web e e-commerce surgiram tendências que catapultaram o PR para o centro da comunicação. Neste artigo, vou tratar de 3 delas: relevância, reputação e autenticidade.

PARA GERAR RELEVÂNCIA

A dinâmica da comunicação em rede privilegia os mais relevantes. Veja as mídias sociais, onde o poder de influência é medido primariamente pelo número de seguidores. O mesmo se repete nas ferramentas de busca de sites, que posiciona melhor quem tem mais links direcionados para seu conteúdo.

Assim, se antes ser conhecido e lembrado por seu público alvo era chave para o sucesso, agora ter sua marca e a URL de seu site citado por sites de grande tráfego (como portais de notícias) é o sonho dos CMOs preocupados com o posicionamento de SEO. E essa é uma conquista que está entre as entregas mais básicas de um PR bem executado.

CONSTRUIR REPUTAÇÕES

Subindo mais um nível, encontramos a reputação. Outro conceito ancestral que, com a internet, se tornou o ativo não tangível mais importante que uma empresa pode ter. Afinal, as redes sociais e blogs nos levaram à era da hipertransparência, onde todos podem comentar e se posicionar sobre qualquer produto ou serviço. E não demorou muito para consumidores, investidores e mesmo profissionais em busca de um novo emprego aprenderem como usar estas ferramentas para saber mais sobre uma marca antes de decidirem.

Sim, existem algumas técnicas digitais e de guerrilha para tentar “limpar” uma má reputação na web. Mas sua eficiência é bastante limitada (além de, em alguns casos, eticamente questionável). Aqui, uma vez mais, os profissionais de PR são os mais preparados para gerenciar adequadamente a reputação de marcas e organizações. Isso sem falar nos grandes projetos para prevenir riscos e crises de imagem, que aqui na Engaje! chamamos de defesa de reputação.

 E, COM O DISRUPTIVE PR, CONTAR HISTÓRIAS REAIS

Finalmente, há alguns anos vemos crescer a demanda por autenticidade no público em geral. Provavelmente um efeito do excesso de pessoas, situações, produtos e ambientes artificialmente perfeitos das redes sociais. Tudo plastificadamente lindo. E irreal. As pessoas mais e mais querem a verdade, o #SemFiltro. Querem entender a história por trás de um produto, o conceito que embasa um serviço, o propósito que move uma corporação.

Ao trabalhar com o real, o PR (originário do jornalismo) é a disciplina melhor posicionada hoje para capitanear a comunicação das marcas. O profissional de PR é um contador de histórias de não ficção, que usa fatos para criar um storytelling relevante e engajador. E essa, juntamente com a visão ampla da comunicação (e da busca por novos ângulos e enfoques) é a raiz do disruptive PR. O presente da comunicação.

LEIA TAMBÉM

Propósito e reputação: modismo corporativo ou desculpa para a superficialidade?

Reputação ainda não é o centro da sua estratégia?

Como as marcas devem se comunicar para ter sucesso

 

Imagem de My pictures are CC0. When doing composings: por Pixabay

Kemal Ishmael Jersey